Arquivo: 
Download pdf (1.21 MB)
Realização: 

ANDI - Comunicação e Direitos em parceria com a Secretaria de Direitos Humanos do Governo Federal.

A voz dos parlamentares e o adolescente em conflito com a lei - uma análise da cobertura de 33 jornais brasileiros entre janeiro de 2006 a dezembro de 2010
Ano: 
2012

Como deputados e senadores participam da cobertura de assuntos vinculados aos adolescentes em conflito com a lei? Quando eles são ouvidos? O que defendem? A análise especial apresentada a seguir fornece uma série de elemen­tos que ajudam a responder essas e outras questões que envolvem os parlamentares e esse noticiário específico.

Além de traçar um panorama geral sobre a cobertura dedicada pelos jornais brasileiros a temáticas associadas aos adolescentes em conflito com a lei, a pesquisa realizada pela ANDI – Comunica­ção e Direitos em parceria com a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) lança um olhar aprofunda­do acerca da participação nesse noticiário de um grupo específico de atores sociais: os parlamentares.

O objetivo é desvendar como senadores e deputados federais participaram do debate jornalístico sobre os desafios relaciona­dos ao enfrentamento do fenômeno no período analisado.

O estudo coletou, por meio de clipping eletrônico1, as notícias sobre o tema publicadas por 342 jornais impressos das cinco re­giões do País no período de janeiro de 2006 a dezembro de 2010. Foram selecionados textos que continham ao menos um parla­mentar do âmbito federal (deputado ou senador) como fonte de informação e que debatiam o tema da maioridade penal ou as­pectos relacionados ao universo do grupamento em foco.

Segundo os números coletados, ao longo do período foram pu­blicadas 374 notícias com tais características. Deputados federais e senadores foram fontes de informação em 699 oportunidades, o que corresponde a uma média de 1,9 parlamentar ouvido em cada notícia.

Vale ressaltar que a maior parte dessa cobertura (84,5%) foi publicada em 2007, em decorrência dos debates acerca da Lei da Maioridade Penal, impulsionados após a morte do garoto João Hélio. Nesse sentido, é importante observar que os resultados encon­trados refletem, portanto, um posicionamento do Legislativo fe­deral pautado por um momento de forte comoção nacional.