Arquivo: 
Download pdf (2.7 MB)
Realização: 

Esta publicação é uma realização da ANDI e do Instituto Ayrton Senna com o apoio do Unicef, do Departamento da Criança e do Adolescente do Ministério da Justiça, da Amencar e da Unesco.

Mídia dos Jovens (9ª edição) - A marca do crime
Ano: 
2001

Muito além do boletim de ocorrência

Ao apresentar a nona edição da pesquisa A Mídia dos Jovens, a ANDI - Agência de Notícias dos Direitos da Infância e o Instituto Ayrton Senna enfatizam seus objetivos de cooperar para a consolidação dos veículos de mídia jovem (revistas e suplementos dedicados aos adolescentes) como instrumentos de “educomunicação” – fundamentais que são para a formação de uma juventude cidadã.

Nesta edição, apresentamos em destaque os resultados do estudo Balas Perdidas, cujo objetivo é trazer luzes a duas questões que alimentam enorme perplexidade na sociedade brasileira: de um lado, a violência; de outro, a maneira como a imprensa aborda a violência cometida contra e, algumas vezes, por adolescentes.

Os dados e as conclusões de Balas Perdidas mostram que, para um país que deseja construir melhores indicadores de desenvolvimento humano, de respeito aos direitos da criança e do adolescente e de eficácia da justiça, é anêmico o diálogo que se estabelece entre sociedade civil organizada + poderes públicos + instituições de pesquisa + imprensa em torno da Violência.

Agradecemos aos parceiros que contribuíram para que chegássemos à nona edição da pesquisa A Mídia dos Jovens: o Ministério da Justiça, a Amencar, a Unicef e a Unesco. Devemos, entretanto, especial agradecimento pela dedicação com que os consultores técnicos Rui Nogueira (texto) e Guilherme Canela (estatísticas) mergulharam em centenas de cruzamentos de dados e ricos debates para chegar à análise e às recomendações que apresentamos.

Agradecemos também, por idêntica dedicação, aos demais consultores convidados pela ANDI para compor o Grupo de Análise de Mídia sobre o tema Violência. E, além do mais, somos gratos às instituições que solidariamente cederam muito do tempo de seus técnicos para esta realização. Esperamos, todos, que as reflexões não se transformem numa espécie de “boletim de ocorrência”, mas que possam estar a serviço do aprimoramento da informação
e da promoção dos direitos da criança e do adolescente como personagens centrais na pauta do desenvolvimento humano.