27 de Agosto de 2013
Livro debate regulação da publicidade de alimentos no mundo

Publicação, coordenada por Isabella Henriques, do Alana, e Veet Vivarta, da ANDI, traz informações completas sobre regulação da publicidade de alimentos no mundo, como forma de ampliar o debate e incentivar a adoção de políticas sobre o tema no Brasil

O Instituto Alana e a ANDI Comunicação e Direitos lançam o livro “Publicidade de Alimentos e Crianças”, que traz um relato aprofundado das políticas de regulação da publicidade de alimentos no Brasil e no mundo, comparando as iniciativas de diferentes países. O livro foi produzido em parceria com a LIDS, Harvard Law and International Development Society, programa da Universidade de Harvard que promove a pesquisa sobre temas de grande relevância social e que conjuguem aspectos jurídicos, de políticas públicas e de desenvolvimento internacional. O LIDS realizou a pesquisa comparativa de sete países selecionados: Canadá, Austrália, Estados Unidos, União Europeia, Suécia, França, Alemanha e Reino Unido.

A publicação, voltada a profissionais de direito e gestores públicos, busca trazer informações para o debate e estimular a adoção de medidas efetivas que protejam as crianças dos efeitos da publicidade de alimentos no país, assim como em outros locais. “Conhecer a maneira pela qual outros países vêm lidando com o tema da publicidade de alimentos e de bebidas não alcoólicas é essencial para a construção e efetivação das bases legais brasileiras”, coloca Isabella Henriques, diretora da área de Futuro e Defesa do Instituto Alana, em seu prefácio.

O livro vai ao encontro dos objetivos do Alana e da ANDI de promover os direitos das crianças em relação à mídia, embora essa seja uma luta que enfrente diretamente os interesses econômicos das grandes indústrias. Nesse contexto, a publicidade merece destaque, ao impulsionar o consumo excessivo entre todas as gerações e, principalmente, junto às crianças. O foco publicitário no público infantil gera uma preocupação a mais, já que a disseminação de valores consumistas desde a infância forma hábitos que serão levados para toda a vida e, no caso da publicidade de alimentos altamente calóricos e de baixo valor nutricional, chega a ser uma questão de saúde pública, com a difusão de uma verdadeira epidemia de obesidade e doenças crônicas não transmissíveis entre crianças.

Em sua primeira parte, o livro se aprofunda na situação atual do Brasil, as leis em vigor, os acordos de autorregulação, a atual fiscalização dos estatutos em vigência, projetos de lei relevantes e diretrizes normativas. O capítulo aborda ainda os desafios e perspectivas da regulação do setor no país, além da necessidade de uma ação conjunta da sociedade, organizações sociais, escolas, empresas e governos pela proteção da infância.

Além da apresentação e da análise dos exemplos realizados nos países analisados, o livro conta também com uma análise da especialista e professora Corinna Hawkes, que participou do processo de desenvolvimento de políticas públicas de alimentação nos Estados Unidos e foi presidente do Grupo de Especialistas em Marketing de Alimentos para Crianças da Organização Mundial de Saúde. Corinna escreve sobre o marketing de alimentos dirigido ao público infantil no mundo, sobre as políticas que vem sendo criadas sobre o assunto e seus efeitos.

Editado e publicado pela editora Saraiva, o livro estará à venda nas principais livrarias do país, no site www.livrariasaraiva.com.br e pelo telefone (11) 4003-3390.

Serviço:

PUBLICIDADE DE ALIMENTOS E CRIANÇAS – Regulação no Brasil e no Mundo

Coordenadores: Isabella Henriques e Veet Vivarta

Editora Saraiva, 2013, 1.ª edição, brochura, 158 páginas, R$ 40,00

ISBN: 978-85-02-20218-4

 

Fonte: Instituto Alana

Patrocínio
Publicações
No Volume I, o leitor encontra um guia prático para identificar violações de direitos no campo da comunicação de massa, com exemplos extraídos de programas de rádio e TV de todas as regiões do País, e um apanhado inédito dos dispositivos legais que buscam harmonizar o direito à liberdade de expressão com outros direitos dos cidadãos, como o de terem a imagem e a privacidade respeitadas.