08 de Fevereiro de 2012
Muito além da internação: Mudanças previstas no Sinase têm prazo para acontecer

A falta de unidades de internação provisória e de programas de atendimento inicial ao adolescente em conflito com a lei faz com que jovens permaneçam em distritos policiais e cadeias, junto com adultos. A internação provisória, pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), não pode ultrapassar 45 dias. 

As medidas em meio aberto, como as de Liberdade Assistida (LA) e Prestação de Serviço à Comunidade (PSC), são consideradas pelo ECA e pelo Sinase como prioritárias.  A internação deve ser uma medida excepcional, apenas em casos de ato infracional de maior gravidade, como latrocínio e homicídio; reincidência de infrações graves ou descumprimento injustificado de outras medidas aplicadas anteriormente.
 
A expectativa é que o processo de implementação da lei do Sinase aumente o total de vagas para aplicação das medidas de semiliberdade. 
 
O órgão responsável pela execução do  Sinase nos estados e municípios terá que registrar nos Conselhos Estadual ou Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente as propostas de trabalho. As atividades deverão obedecer critérios técnicos estabelecidos na lei.  
 
Mesmo assim, a sociedade deve estar atenta ao cumprimento de metas e prazos. 
 
A cultura da punição
 
Nem todos os adolescentes que cometem atos infracionais têm acesso a uma rede de atendimento em meio aberto, com orientação e acompanhamento semanal. Diversos municípios não buscam implementar tais medidas ou o fazem de modo pouco efetivo. “Por falta desses programas muitos juízes acabam optando por aplicar medidas de internação, o que gera muitos prejuízos ao adolescente”, avalia Ariel Castro.
 
Já na opinião da advogada em Direitos Humanos Eloísa Machado, a justificativa para o número elevado de internações é cultural. Para ela, ainda persiste no sistema judiciário brasileiro a falsa noção de que apenas a medida de internação representaria a responsabilização do jovem. 
 
“Esta concepção vem não só da herança do Código de Menores, que privilegiava o uso indiscriminado de internação, como também de uma cultura punitiva mais geral no Brasil, que associa indevidamente a prisão/internação à eficiência de uma política de combate ao crime. A privação de liberdade aparece em diversos discursos como sendo a solução para o tema da violência e da criminalidade”, analisa.
 
Avanço necessário
 
A resolução do Conanda/SDH determina que a rede de atendimento colabore na construção de um projeto de vida pelo adolescente em conflito com a lei. O protagonismo do jovem na condução de seu futuro deve ser estimulado. Mas apenas isto não garante a recuperação. 
 
De acordo com a psicóloga do Laboratório de Estudos em Fenomenologia Existencial e Práticas em Psicologia da Universidade de São Paulo (USP), Henriette Morato, para ser efetiva, a mudança depende também do contexto em que o adolescente está inserido. Por isso o apoio da família é essencial.
 
O retorno ao convívio social inclui redescobrir valores e refazer laços afetivos. “A família precisa apoiar, acreditar e confiar nesse adolescente”, ressalta. 
 
Entre 1999 e 2008, ela atendeu adolescentes em conflito com a lei, e na sua avaliação é necessário considerar a realidade do jovem e de suas famílias na elaboração dos projetos. “Por mais que se tente antever situações, na prática elas transcendem as possibilidades levantadas pelos programas. Isso porque eles são pensados para a família ideal. Quem planeja essas ações deve antes andar pelos locais, conhecer a situação das famílias. Assim, fará uma política mais realista”, assegura.
 
Em parceria com o governo, as ONGs entram nesta rede com a execução de atividades de arte, cultura, esporte e cursos profissionalizantes. O Sistema “S”(instituições do setor produtivo) também tem sido um parceiro constante, que por meio de convênios com os governos preparam os/as adolescentes para o mercado de trabalho. 
 
Outros atores sociais também podem integrar essa rede de proteção. A Polícia Militar de Minas Gerais é um desses exemplos. Além do cumprimento da sua função de segurança pública, a corporação oferece oficinas de arte-educação aos adolescentes em conflito com a lei no estado. Esse tipo de prática contribui para que as próprias instituições governamentais superem a política assistencialista e repressiva. 
 
Apoio e força de vontade para ir além
 
Após um ano e quatro meses cumprindo medida de privação de liberdade em Belo Horizonte, MV é um exemplo na superação das angústias e da tristeza. Na unidade de internação, começou a participar das atividades de educação, profissionalização e lazer. Para ele, que hoje trabalha com marcenaria, as oficinas de teatro foram fundamentais para reaprender a ouvir, a conversar e a se colocar no lugar das outras pessoas. “Muitos acreditam que a medida socioeducativa não muda as pessoas, mas muda sim o modo de pensar”, assegura.
 
Já IS, 18 anos, enfrenta um grande desafio: a disciplina.  Pela manhã, aulas do primeiro ano do ensino médio e, à tarde, oficinas de artesanato, culinária e acompanhamento psicológico. Ele já fez um curso de competências básicas para o trabalho e quando completar o ensino médio pretende ter aulas de injeção eletrônica e de segurança no trabalho. IS acredita que esses cursos podem abrir portas no mercado profissional. “Procuro sempre estar visando algo melhor, não o passado, procuro ver mais na frente”, afirma.
 
A diferença entre IS e outros alunos do ensino médio é que ele é um dos internos do Centro Socioeducativo Horto, em Belo Horizonte. “O sistema mexe muito conosco. Quando você está vivenciando isso, você percebe que a vida vai muito além do crime, vai mudando nosso caráter”. 
 
Avaliação de LA e PSC em 2012
 
A SDH, em parceria com o Conanda e o Instituto Brasileiro de Administração Municipal (Ibam), vai analisar a dinâmica dos programas municipais em todas as capitais brasileiras.  Esta será a primeira avaliação das medidas socioeducativas de Liberdade Assistida (LA) e Prestação de Serviço à Comunidade (PSC), com destaque para os novos arranjos criados a partir de 2008, com o cofinanciamento do serviço no âmbito da política de assistência social.
 
O levantamento irá diagnosticar as dificuldades e oportunidades locais. “Poderemos, assim, apontar recomendações para o aperfeiçoamento e consolidação da política pública de atendimento ao adolescente em conflito com a lei”, explica a Secretária Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente, Carmen de Oliveira.
 
“A aprovação do Sinase certamente contribuirá para melhorar o sistema socioeducativo, na medida em que estabelece padrões nacionais mais claros e objetivos a serem seguidos pelos estados e municípios e todas as entidades integrantes do sistema. Com tais padrões estabelecidos, ficará mais fácil fiscalizar o atendimento e também cobrar sua melhora. Por isso, para que o Sinase represente um real avanço, é necessário o envolvimento dos conselhos, da família, das ONGs e das instituições do sistema de justiça na fiscalização da implementação de suas diretrizes.”
 
Eloísa Machado, advogada consultora da Conectas Direitos Humanos
 
Leia também 
 
 
 
Por Gabriela Goulart
Patrocínio
Petrobras
Publicações
Este guia integra uma série de publicações editadas pela ANDI – Comunicação e Direitos ao longo da última década, com o objetivo de contribuir para o aprimoramento da cobertura jornalística.