22 de Junho de 2015
Campanha “Defenda-se” será exibida no Chile durante a Copa América

Quatro vídeos foram escolhidos para compor as ações de enfrentamento à violência sexual de crianças e adolescentes durante os jogos, em Santiago

De acordo com pesquisa da Brunel University London, intitulada “Exploração de Crianças e Adolescentes e a Copa do Mundo: uma análise dos riscos e das intervenções de proteção”, em grandes eventos como a Copa América 2015 os riscos de violações de direitos humanos de meninos e meninas se intensificam. Por isso, durante os jogos, que serão realizados em sete cidades do Chile, os vídeos da Campanha Defenda-se serão exibidos em espaços públicos e de grande circulação de Santiago. A iniciativa visa contribuir com as ações de enfrentamento à violência sexual de crianças e adolescentes realizadas pela rede de proteção do país no período dos jogos.

Esta ação de cooperação internacional foi possível por meio de uma articulação entre o Centro Marista de Defesa da Infância, por meio do FMSI Cono Sur (Fundação Marista de Solidariedade Internacional) e a ONG Raíces, de Santiago, no Chile. “A partir desta importante parceria, quatro vídeos da campanha Defenda-se serão exibidos durante todo o campeonato com legenda em espanhol e com um canal de denúncias de violações de direitos humanos específico do país, o 0800 730 800”, conta o coordenador da Campanha Defenda-se, Vinícius Gallon.

De acordo com Denisse Araya Castelli, diretora executiva da ONG Raíces, várias ações de prevenção à violência sexual serão realizadas. Além de mobilização junto aos meios de comunicação, a Polícia de Investigações, juntamente com o Serviço Nacional de Turismo (SERNATUR) e o Ministério do Interior, lançou uma campanha chamada “VIGIAS-ESCNNA para enfrentar especialmente a exploração sexual comercial de meninos, meninas e adolescentes. Agora, com esta parceria, a Campanha Defenda-se passa a compor as atividades com foco na autodefesa de meninos e meninas contra a violência sexual.

“A violência sexual faz parte do universo do futebol e de Grandes Eventos como a Copa América. Neste sentido, a campanha Defenda-se é excelente, pois dialoga com este universo e chega rapidamente aos meninos e meninas, fornecendo ferramentas para que possam se proteger, além de despertar a atenção dos adultos.”, diz Denisse Castelli.

A Copa América está em sua 44ª edição e vai até o dia 4 de julho.

Sobre a Campanha Defenda-se:

A campanha “Defenda-se” contribui com as políticas de enfrentamento à violência sexual contra crianças e adolescentes, especialmente no campo da prevenção, ao promover a autoproteção de meninos e meninas contra o abuso e a exploração sexual por meio de vídeos educativos de versão amigável. Os vídeos ilustram situações cotidianas em que a criança pode se defender, seja relatando a violência para alguém de confiança ou fazendo a denúncia diretamente para o Disque 100, que recebe e encaminha denúncias de violações de direitos humanos. A Campanha Defenda-se foi reconhecida pela 5ª edição do Prêmio Neide Castanha 2015 na categoria Protagonismo de Crianças e Adolescentes. O prêmio elege as iniciativas que se destacaram na defesa dos direitos de crianças e adolescentes, especialmente as que colaboram para o enfrentamento da violência sexual de meninos e meninas no país. Todos os vídeos da campanha podem ser acessados em: www.defenda-se.com.

Sobre a Rede Marista de Solidariedade

A Rede Marista de Solidariedade abrange programas, projetos e ações de promoção e defesa dos direitos das crianças e dos jovens desenvolvidos em todas as áreas de atuação do Grupo Marista. A Instituição Marista tem status consultivo na Comissão de Direitos Humanos da ONU, por meio da Fundação Marista de Solidariedade Internacional. A rede desenvolve iniciativas para a efetivação dos direitos da criança, como o Centro Marista de Defesa da Infância. Representantes da Rede Marista de Solidariedade participam de conselhos, fóruns e redes nas áreas de educação, direitos da criança e do jovem, assistência social e saúde nos níveis municipais, estaduais e nacional. A rede também atende diretamente cerca de 16 mil crianças e jovens em situação de vulnerabilidade social, de maneira contínua, em 26 unidades sociais e nos programas de bolsas de estudo para a Educação Básica, Profissional e Ensino Superior. Outras informações, acesse: www.solmarista.org.br

Sobre o Grupo Marista

No Brasil desde 1897, o Instituto Marista divide-se em unidades administrativas no País. Uma delas é o Grupo Marista – presente no Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Mato Grosso do Sul, na cidade de Goiânia e no Distrito Federal, além de filiais da FTD em nove estados – com atuação nas áreas de Educação, Solidariedade, Saúde e Comunicação, por meio de uma agremiação de organizações sem fins econômicos. Na Educação, seus colégios, centros técnicos e universidades formam mais de 60 mil pessoas anualmente e ampliam o conhecimento com a publicação de 34 milhões de livros em editoras próprias. A Rede Marista de Solidariedade atende diretamente 16 mil crianças e jovens de maneira contínua, além de atuar em todas as frentes do Grupo Marista a partir de programas com base na promoção e defesa dos direitos das infâncias e juventudes, bem como estratégias de incidência política e fomento à educação para a solidariedade. Na Saúde, seus hospitais realizam 443 mil atendimentos ao ano e proporcionam ações de humanização, conscientização e prevenção. Na Comunicação, suas rádios prezam pela difusão de conhecimento, cultura e cidadania. E, diariamente, seus cerca de 14 mil colaboradores vivenciam e disseminam valores humanos, cristãos e Maristas para formar cidadãos éticos, justos e solidários. Outras informações, acesse: www.grupomarista.org.br

 

Informações para a imprensa:
Lead Comunicação
(11) 3168-1412
Cíntia Gomes – Ramal 15* cintia@lead.com.br
Denise Angelo – Ramal 23* denise@lead.com.br

Patrocínio
Petrobras
Publicações
Publicação mapeia os principais riscos a que estão expostos crianças e adolescentes nas cidades-sede do Mundial 2014 e apresenta as iniciativas desenvolvidas pela sociedade brasileira para garantir os direitos fundamentais desses grupos etários.