26 de Março de 2012
Artigo - Somos mesmo 'loucos por ti', América?, por Geraldinho Vieira

Por Geraldinho Vieira
Charge de Claudius

Vem aí a sexta edição da “Cumbre de las Américas”, que reunirá em Cartagena de las Índias (Colômbia) 34 chefes de Estados (os membros da OEA) – incluindo Estados Unidos e sua velha recusa de aceitar a participação de Cuba.

Nos dias 14 e 15 lá estarão eles, tratando de um tema que é quase “maya” (ilusão), como diriam os hindus: “Conectando as Américas: sócios para a prosperidade”.

Drogas, segurança, educação, desastres naturais, intercâmbio em tecnologias e relações de mercado, entre outros temas, estarão na mesa. Não será surpresa muito grande se o fracasso das atuais políticas de combate às drogas e até, quem diria, possibilidades de algum tipo de legalização acabarem sendo o tema mais quente da reunião.

Por outro lado, é uma pena que não se veja, na programação, nada sobre a gestão de biomas que pertencem a vários países e são essenciais à preservação ambiental – o que para muitos já exige uma espécie de “diplomacia ecológica”.

Para jornalistas e não jornalistas interessados na agenda das Américas, recomendo excelente entrevista feita por Ricardo Corredor (diretor executivo da FNPI - Fundación Nuevo Periodismo, da Colômbia) com o repórter brasileiro Clovis Rossi (Folha de S. Paulo). Há muitos anos Clovis é o jornalista que mais se dedica a estas cumbres e à agenda da integração (ou não intregração) destes países. Ouça a entrevista com Clóvis Rossi (cerca de uma hora de duração).

Clovis navega por temas como a pobreza do jornalismo que apenas cobre o evento com os chefes de Estado mas não o processo de negociações que envolve técnicos de alto nível dos vários países e que é o que de fato importa; que é onde de verdade está o que deveria ser “notícia”.

Por estas e por outras, e antes que alguém saia atirando com o clichê “o Brasil não olha para a América Latina”, Clovis Rossi dispara: “Os latinos estão de costas para a região”. Ou seja, nós todos, latinos, não sabemos o que significa – cultural, política, ambiental e mesmo comercialmente – pertencer a esta região.

Parte disso por culpa nossa: é que, pelo menos no que diz respeito ao jornalismo, “soy loco por ti, América” é apenas poesia.

MAIS: Se você quer saber o que outros jornalistas pensam sobre o tema, acompanhe a série de três entrevistas que FNPI está colocando no ar. Basta navegar FNPI.

Artigo publicado no Blog do Noblat.

Patrocínio
Petrobras
Publicações
Este guia integra uma série de publicações editadas pela ANDI – Comunicação e Direitos ao longo da última década, com o objetivo de contribuir para o aprimoramento da cobertura jornalística.