Skip to main content

Pauta

19 de Setembro de 2011
Pauta ANDI - Violência contra a mulher só é destaque na cobertura policial

-              Análise da cobertura de 16 jornais de todas regiões brasileiras sobre a Violência contra Mulher aponta que é deficiente a discussão sobre políticas públicas públicas de enfrentamento ao problema.

-              O Resumo Executivo da pesquisa pode ser acessado nos sites do Observatório Brasil da Igualdade de Gênero, do Instituto Patrícia Galvão e da ANDI (no minisite “Mulheres na Imprensa”).

-              “Seminário Imprensa e Agenda de Direitos das Mulheres – uma análise das tendências da cobertura jornalística” discutirá os resultados desta e de outras pesquisas inéditas. O evento acontecerá em Brasília, no dia 3 de outubro.

A violência contra a mulher é um tema de destaque no noticiário brasileiro. Segundo a “Análise da Cobertura da Imprensa sobre Violência contra a Mulher” quase 20% do que é publicado nas páginas dos jornais merece chamada de capa.

O problema é que este apelo vem associado a uma cobertura policialesca que pouco se interessa pelas políticas ou pela legislação destinada a combater ou prevenir as agressões. Apenas 13% da cobertura relaciona-se ao Estado e suas ações.

Mais de 80% do material analisado são denuncias descontextualizadas e parciais do problema, e sem propostas ou soluções para evitar novas ocorrências.

A pesquisa é a terceira de uma série de quatro levantamentos realizados pela ANDI – Comunicação e Direitos e pelo Instituto Patrícia Galvão, no âmbito de projeto desenvolvido com o Observatório Brasil da Igualdade de Gênero, da Secretaria de Políticas para as Mulheres do Governo Federal.

Cobertura local e individualizada

Em 73,78% do material analisado, a abordagem é individualizada. Ou seja, as notícias narram casos isolados de violência sem referenciar o problema ou questionar as diferentes esferas de governo para prevenir os ocorridos ou penalizar os agressores.

No mesmo sentido, as fontes de informação mais escutadas pelos jornalistas são os policiais: 25,83% do noticiário. Além dos agentes de segurança pública, também são consultados especialistas (11,31%), o Judiciário (8%), e em menor escala o Ministério Público (3,67%) e representantes dos governos estaduais (3,1%).

Políticas e legislação fora da pauta

Somente 2,13% da cobertura mencionam políticas públicas. A baixa porcentagem indica um desinteresse em cobrar, monitorar e avaliar as iniciativas do poder público voltadas à questão.

Cerca de 87% do noticiário também esquecem da legislação existente na área. A Lei Maria da Penha, que completa cinco anos em 2011, é uma das poucas que merecem alguma citação.

Mesmo assim, as notícias publicadas em 2010 não contemplam questões cobradas por esta lei como a ausência de mecanismos para a coleta e disponibilização de estatísticas; a necessidade de campanhas educativas e o papel da educação na mudança de atitudes.

Causas da violência e soluções

É pequena também a abordagem da imprensa sobre as causas da violência contra a mulher. Somente 13,49% dos textos aprofundam a discussão neste sentido. A ineficiência das autoridades e a desestruturação familiar são os motivos mais destacados.

Pouco mais de 12% dos textos mencionam a impunidade do agressor ou as dificuldades de penalizá-lo pelo crime.

Também faltam reportagens sobre a precária situação dessa rede de atenção às mulheres. Ao ignorar essa lacuna do Estado, a imprensa perde a oportunidade de cobrar respostas dos poderes públicos.

Seminário irá debater visibilidade da mulher na mídia

A ANDI, o Instituto Patrícia Galvão e o Observatório Brasil da Igualdade de Gênero já divulgaram anteriormente dois resumo executivos das análises de imprensa sobre “Mulheres na Política” e “Mulheres e Trabalho”. 

Os resultados completos serão debatidos no seminário Imprensa e Agenda de Direitos das Mulheres – uma análise das tendências da cobertura jornalística, organizado pela Secretária de Políticas para as Mulheres. O evento reunirá em Brasília profissionais de imprensa e especialistas na agenda de equidade de gênero. Será realizado no dia 3 de outubro, no Auditório do Anexo I do Palácio do Planalto, e é aberto ao público. Inscrições online pelo site: http://adm.informacao.andi.org.br/seminario/.

Resumo executivo

O resumo executivo da pesquisa está disponível para download nos sites da ANDI, do Instituto Patrícia Galvão e do Observatório Brasil da Igualdade de Gênero.

O Observatório é uma iniciativa da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República para dar visibilidade e fortalecer as ações na promoção da igualdade de gênero e dos direitos das mulheres. Para isso, o Observatório atua em cinco grandes eixos: Indicadores; Políticas Públicas; Legislação e Legislativo; Internacional; e Comunicação e Mídia.

Fontes

Instituto Patrícia Galvão
Jacira Melo e Marisa Sanematsu
jaciramelo@uol.com.br
/ msanematsu@uol.com.br
(11) 3266-5434

ANDI – Comunicação e Direitos
Lauro Mesquita
lmesquita@andi.org.br 

(61) 2102-6530

Observatório Brasil da Igualdade de Gênero
Nina Madsen e Júlia Zamboni
nina.madsen@spmulheres.gov.br
/ julia.zamboni@spmulheres.gov.br
(61) 3411-4227

Tags
Análise de Cobertura (Monitoramento), ANDI, infancia-e-juventude, Instituto Patrícia Galvão, Lauro Mesquita, Mídia e Gênero, Observatório Brasil da Igualdade de Gênero, Pauta ANDI, Secretaria de Políticas para as Mulheres, Violência Doméstica, Brasil, Pautas, Publicações, Gênero, politicas-de-comunicacao, Violência ver todas as pautas>>

Adicionar Comentário

CAPTCHA
Para evitar a entrada automática de SPAM no site, é necessário identificar a imagem abaixo.
Image CAPTCHA
Entre os caracteres exibidos na imagem.
SDS - Ed. Miguel Badya, Bloco L, Sala 318 - Brasília - DF / 70394-901
Fone: (61) 2102 6508 | Fax: (61) 2102 6501
Licença Atribuição-Uso não-comercial 3.0 Brasil
Logotipo Fábrica de Ideias