07 de Maio de 2015
Unicef alerta para falta de proteção de meninas vítimas de abusos no Paraguai

Veículo: 
Veículo não definido

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) alertou para a falta de proteção das meninas vítimas de abusos sexuais no Paraguai, no momento em que se discute o caso de uma garota, violada pelo padrasto, que engravidou aos 10 anos. “No Paraguai, há, todos os dias, duas meninas com idades entre 10 anos e 14 anos dão à luz”, disse Andrea Cid, integrante do Unicef no país. “Estes casos são consequência de abusos sexuais e, na maioria das situações, são repetidos em relação aos quais as vítimas não recebem a proteção oportuna e apropriada”, explicou a especialista das Nações Unidas. Na sua opinião, por detrás desta situação dramática há um problema de política pública: o reduzido orçamento destinado à educação no Paraguai, um fator que agrava a vulnerabilidade das garotas. “Enquanto outros países da região reservam 7% a 8% do seu orçamento para a educação, o Paraguai não ultrapassa os 4%”, o que se traduz “numa infância sem proteção, em perigo permanente”. O mais recente escândalo, revelado em abril, está relacionado com a gravidez de uma criança de 10 anos, violada pelo marido da mãe. Grávida de 23 semanas, a menina está atualmente no hospital onde é assistida por médicos, psicólogos e psiquiatras. O padrasto, Gilberto Benitez Zarate, de 42 anos, é procurado pela polícia, e a mãe foi detida, acusada de negligência e obstrução à Justiça, após ter prestado falsas informações sobre o marido.

Patrocínio
Petrobras
Publicações
Publicação mapeia os principais riscos a que estão expostos crianças e adolescentes nas cidades-sede do Mundial 2014 e apresenta as iniciativas desenvolvidas pela sociedade brasileira para garantir os direitos fundamentais desses grupos etários.