13 de Dezembro de 2013
Trabalho infantil deve ser combatido na Copa, diz diretora da OIT

Veículo: 
Diário de Pernambuco

A diretora do Escritório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) no Brasil, Laís Abramo, sintetizou o trabalho infantil em uma palavra: "Inadmissível". Segundo ela, nos grandes eventos que o País sediará - a Copa do Mundo, em 2014, e as Olimpíadas de 2016 - o Brasil deve dar destaque ao assunto. A Lei Geral da Copa prevê a campanha pelo trabalho decente. Até agora, segundo a diretora, duas das 12 cidades-sede assinaram termos de compromisso para participar da campanha. "A Copa abre muitas oportunidades, mas pode gerar riscos como o aumento da exploração sexual de crianças e adolescentes, situações de trabalho forçado, trabalho precário. A ideia dessa agenda (feita em conjunto com os governos, centrais sindicais, organizações de empregadores e rede de turismo) é prevenir a ocorrência dessas situações", disse. Na Copa das Confederações, este ano, segundo ela, a prevenção não estava organizada dessa maneira, apesar de ter havido ações da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República nesse sentido. Para Laís, a experiência, no entanto foi válida.

Patrocínio
Petrobras
Publicações
Publicação mapeia os principais riscos a que estão expostos crianças e adolescentes nas cidades-sede do Mundial 2014 e apresenta as iniciativas desenvolvidas pela sociedade brasileira para garantir os direitos fundamentais desses grupos etários.