10 de Fevereiro de 2012
Quimioterapia pode ser feita na gravidez

Veículo: 
Folha de S. Paulo

Mulheres que têm que enfrentar um tratamento de câncer na gravidez podem ficar mais tranquilas quanto ao risco de o bebê ser afetado pela quimioterapia. Estudos publicados hoje (10) no periódico Lancet mostram que crianças expostas à quimioterapia na gestação se desenvolvem tão bem quanto crianças cujas mães estiveram saudáveis durante a gestação. Estimativas apontam que uma em cada mil gestações é afetada pela doença. No entanto, a tendência é que essa incidência aumente, já que mais mulheres têm optado por engravidar depois dos 30 e o risco de câncer aumenta com a idade. Uma das pesquisas envolveu 68 mulheres grávidas que tiveram diferentes tipos de câncer e receberam quimioterapia, cirurgia e/ou radioterapia. As crianças foram examinadas logo após o parto e periodicamente até os 18 anos. Os únicos que mostraram atraso no desenvolvimento foram os que nasceram prematuros.

Patrocínio
Petrobras
Publicações
Publicação mapeia os principais riscos a que estão expostos crianças e adolescentes nas cidades-sede do Mundial 2014 e apresenta as iniciativas desenvolvidas pela sociedade brasileira para garantir os direitos fundamentais desses grupos etários.