15 de Fevereiro de 2017
Quando pais consideram a criança acima do peso, ela tende a permanecer assim

Veículo: 
Revista Crescer

Já é consenso que tanto a genética dos progenitores quanto a escolha dos alimentos que compõem o cardápio do lar são dois fatores que influenciam o peso da criança ao longo da vida. No entanto, outro agente também pode estar relacionado a isso. É o que sustenta uma nova pesquisa da Universidade de Liverpool (Reino Unido) e da Universidade Estadual da Flórida (EUA). O estudo, realizado com 2.823 famílias australianas, descobriu que, quando os pais acreditam que o filho está acima do peso, a criança tende a engordar no futuro.

A análise científica ocorreu ao longo de dez anos. Em um primeiro momento, foram anotados o peso e altura das crianças aos 4 ou 5 anos de idade e a percepção dos pais diante o peso de seus respectivos filhos (se eles os consideravam abaixo do peso, com peso normal, acima do peso ou sobrepeso). Nos anos seguintes, durante a pré-adolescência, as crianças foram acompanhadas pelos cientistas e participaram de entrevistas. Ao fim da pesquisa, as crianças cujos pais consideravam acima do peso aos 4 ou 5 anos foram também as que mais ganharam quilos extras aos 14 e 15 anos de idade.

Contraponto

No entanto, outro estudo, realizado na Universidade de Houston (EUA), no ano passado, contesta essa tese. A pesquisa norte-americana foi feita através de questionário com 70 mães e percebeu que 54% das progenitoras de crianças obesas ou com sobrepeso achavam que seus filhos tinham peso normal. 

É muito provável que os adultos que não enxerguem o sobrepeso dos próprios filhos também sofram com a obesidade. Isso ocorre porque em famílias de obesos existe uma identidade que altera a percepção dos pais, de forma que os sinais de sobrepeso na criança dificilmente são notados.

O que diz a pediatria

É importante ressaltar que, conforme a pesquisa realizada com as famílias australianas analisou, a obesidade aos 4 e 5 anos de idade está associada à persistência dela na vida adulta. “Quando se avalia o comportamento de adultos obesos na época em que eram crianças, no primeiro ano de idade, eles, em sua grande parte, apresentavam o padrão do ‘bebê gordinho'. Em nossa cultura, isso ainda é visto como saudável, mas não é verdade”, explica a pediatra Mônica de Araújo Moretzsohn, do departamento de nutrologia pediátrica da Sociedade Brasileira de Pediatria.

Depois do primeiro ano de vida, a criança tem uma diminuição do apetite e um gasto energético maior, que perdura até os 4 ou 5 anos de idade. Posteriormente, o apetite retorna. Se nesse período ela apresentar sobrepeso e ou hábitos alimentares ruins, a chance de ser obesa no futuro é grande.

O que diz a psicologia

Mas será que a visão que os pais sustentam sobre o corpo da criança pode, de fato, ter alguma relação com a obesidade? A resposta é sim. “O olhar materno tem uma força muito importante na percepção do próprio corpo e essa configuração tem interferência na própria imagem que a criança cria de si”, explica a psicóloga Silvia Maria Gonçalves, do Hospital São Luiz Jabaquara (SP).

O que acontece é que quando o bebê chora de fome, a mãe o coloca para mamar e ele associa o calor e o acolhimento materno à necessidade de se alimentar. É assim que se forma o vínculo entre a alimentação e a mãe. “Essa relação pode aparecer com o pai, avó ou qualquer pessoa que alimente a criança, mas o seio materno costuma ser mais visceral e direto”, elucida a especialista. Com o passar do tempo, a criança aprende a criar uma separação entre a mãe e a necessidade de se alimentar e, a ssim, começa a criar sua própria imagem sobre si mesma. Mas vale ressaltar que o processo é lento e dura anos. Em casos mais raros, mesmo depois de adulto, o filho não consegue fazer essa separação completa. 

A obesidade, assim como qualquer outro distúrbio alimentar, não é o problema, mas sim um sintoma dele. Portanto, o ideal é fazer acompanhamento junto a um psicólogo, já que podem haver outras questões relacionadas. Além disso, o excesso de peso pode gerar uma imagem corporal negativa, ansiedade e depressão. 

O que vai à mesa 

Os pais são os maiores exemplos dos filhos no que diz respeito à alimentação, afinal, são eles os responsáveis pelas efeições do lar. Críticas, punições ou depreciações não vão fazer com que a criança coma o que os adultos querem. Por outro lado, uma abordagem positiva, afetiva e que tenha reflexo também no prato dos próprios pais ajuda muito. “A criança não tem acesso ao mercado. Ela acaba comendo aquilo que tem em casa, o que os pais compram. Às vezes, os pais não gostam de verduras, então ela não tem acesso e esse tipo de alimento e não desenvolve gosto por ele. O hábito alimentar se forma desde pequeno”, explica a nutricionista Danielle Fernanda Filipe, do Hospital e Maternidade São Luiz Anália Franco (SP).

No entanto, vale lembrar que dietas extremamente restritivas também não são recomendadas. “A ideia mais bem dosada é a reeducação alimentar, que ensina a criança a comer, e não precisa ser rigorosa. Podemos fazer manobras na nutrição, com opções coloridas e lúdicas, mas também saudáveis”, explica a nutricionista.

Uma sugestão é levar a criança ao supermercado e apresentá-la às verduras, aos legumes e às frutas, contando que eles são opções naturais e saudáveis para se alimentar. Convidar a criança para participar da preparação dos itens que vão na lancheira também ajuda. Outra dica é montar uma pequena horta com a criança, e deixá-la colaborar com os cuidados.

Conselho médico

– É necessário desmistificar o conceito de que bebê gordinho é bebê saudável. 

– A rotina atarefada dos pais diminui a frequência das refeições em família, mas elas são muito importantes. É nesse momento que os adultos dão o exemplo de alimentos saudáveis em seus pratos, e isso influencia as crianças.

– Evite o uso de aparelhos eletrônicos durante as refeições. Eles distraem a criança e fazem com que ela coma mais do que precisa.

– Mantenha o acompanhamento regular com o pediatra para que ele possa identificar se o seu filho está acima do peso. Você também pode checar isso com ajuda dos gráficos de referência de crescimento infantil da Organização Mundial de Saúde (OMS). 

– A reeducação alimentar deve ser feita não apenas com a criança, mas com todos que vivem no lar. Caso contrário, seu filho se sentirá diferente do restante da família.

 

Patrocínio
Petrobras
Publicações
Este guia integra uma série de publicações editadas pela ANDI – Comunicação e Direitos ao longo da última década, com o objetivo de contribuir para o aprimoramento da cobertura jornalística.