27 de Abril de 2015
Por falta de professores, crianças de aldeia indígena ficam sem aulas

Veículo: 
Folha de S. Paulo

O relógio ainda marcava 10h30, mas todas as cerca de 80 crianças do período matutino da escola estadual da aldeia guarani Ytu, no Jaraguá, já estavam fora da sala de aula, na última sexta-feira (24). Essa rotina de dispensa antecipada se repete desde o início do ano letivo, em 2 de fevereiro, devido à falta de professores, segundo pais de alunos e funcionários da escola ouvidos pela Folha. Para este ano, a escola preencheu apenas duas das sete vagas de professores de Ensino Fundamental no período matinal. O problema é mais grave à noite, quando a escola oferece ensino médio e educação de jovens e adultos: faltam sete professores. As aulas da sexta (24) foram canceladas. Só não há falta de professores no período vespertino, quando a escola também oferece Ensino Fundamental. Funcionários da escola afirmam que o problema não está relacionado à greve na rede estadual, e sim à não contratação de professores para vagas vazias. Outro problema ali é a falta de espaço. A escola tem duas salas de aula para mais de 200 alunos, diz o líder local e professor de geografia David Martim, 27, que também tem ensinado matemática aos alunos. Na hora do almoço, a maioria das crianças tem de levar o prato de comida para fora do colégio, pois não há mesas e cadeiras para acomodar a todas dentro do espaço. Procurada pela Folha, a Secretaria Estadual de Educação alegou que a falta de professores é pontual e assegurou que as aulas perdidas serão repostas. Ainda de acordo com a secretaria, há um plano de expansão da escola, incluindo um espaço multimídia para uso de computadores, a um custo de R$ 60 mil.

Patrocínio
Publicações
O guia procura orientar os profissionais de comunicação para uma cobertura qualificada e contextualizada do tema oferecendo referências às políticas públicas, esclarecendo conceitos e sugerindo fontes.