23 de Outubro de 2012
Parto humanizado deve substituir cesarianas

Veículo: 
A notícia foi publicada nos principais jornais do País

 

O Brasil é o país que mais realiza partos cesarianos em todo o mundo: 44%. Se apenas a rede privada for considerada, essa taxa chega a 80%, segundo dados do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e do Ministério da Saúde. O ideal, recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), é que as cirurgias correspondam até 15% dos partos. Há, atualmente, um grupo de mães que desejam mais do que a estrutura de um hospital privado para o nascimento dos filhos. A preferência é pelo suporte emocional, sem cirurgias, de um parto humanizado, como é chamado. Mas, para quem deseja esse método, os conselhos de medicina recomendam que ele seja feito no ambiente hospitalar, e não em domicílio ou casas de partos.
 
Divergência – As casas de parto são uma proposta do SUS (Sistema Único de Saúde) para humanização da assistência ao nascimento, com a intenção de diminuir o número de cesáreas, de medicações e intervenções cirúrgicas, dando mais autonomia à mãe. O Conselho Federal de Medicina (CFM) recomenda aos médicos que apenas atuem em partos feitos em hospitais. Segundo a entidade, as casas de partos não têm médico, não têm obstetra, anestesista nem pediatra, o que não assegura o parto em caso de uma intercorrência durante o procedimento, e por isso é arriscado para a mãe e para o bebê.
Patrocínio
Petrobras
Publicações
Publicação mapeia os principais riscos a que estão expostos crianças e adolescentes nas cidades-sede do Mundial 2014 e apresenta as iniciativas desenvolvidas pela sociedade brasileira para garantir os direitos fundamentais desses grupos etários.