01 de Setembro de 2014
Mulheres yazidis são vendidas

Veículo: 
Correio Braziliense

Mulheres e meninas da comunidade yazidi capturadas no Iraque por jihadistas do Estado Islâmico (EI) estão sendo obrigadas a se converter ao Islã para, depois, serem vendidas para casamento com combatentes do grupo ultrarradical na Síria. Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), aproximadamente 300 estariam no poder do EI. Muitas teriam sido simplesmente entregues aos extremistas. Mas ao menos 27 delas foram vendidas por US$ 1 mil. As transações estão acontecendo sobretudo nas províncias setentrionais de Aleppo e Raqa, bem como em Hasaka, localizada a nordeste. De acordo com o OSDH, todas as capturadas são consideradas prisioneiras de guerra. Os yazidis são uma comunidade de língua curda não muçulmana. Há três semanas, conforme a organização não governamental, dignitários árabes e curdos da província de Hasaka tentaram libertar as prisioneiras. Chegaram a oferecer dinheiro aos jihadistas, que rejeitaram a proposta. Em 12 de agosto, Heiner Beilefeldt, relator especial da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre a liberdade de religião e de crenças, disse ter recebido informações sobre execuções e sequestros de centenas de mulheres e crianças pelo EI, e de casos de jovens vendidas a combatentes.

Patrocínio
Petrobras
Publicações
O guia procura orientar os profissionais de comunicação para uma cobertura qualificada e contextualizada do tema oferecendo referências às políticas públicas, esclarecendo conceitos e sugerindo fontes.