08 de Março de 2016
Livros didáticos perpetuam sexismo, diz Unesco

Veículo: 
O Globo

Livros escolares "cheios" de atitudes sexistas são um obstáculo oculto na luta pela igualdade de gênero, diz a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO). Segundo ela, estereótipos negativos dificultam a educação de meninas.

Em seu relatório especial para o Dia Internacional da Mulher, a agência afirma que mulheres frequentemente aparecem apenas em papéis secundários nos livros usados nas escolas, e que isso limita as expectativas que meninas tem profissionalmente.

"Garantir que todos os meninos e meninas vão à escola é apenas parte da batalha. O que eles aprendem lá é igualmente, se não até mais, importante. Essa persistente discriminação nos livros escolares derruba a motivação das garotas, sua auto-estima e sua participação na escola", diz Manos Antoninis, da equipe de monitoração de educação global da Unesco.

Com exemplos de países na África e na Ásia, o relatório afirma que homens tem mais chance de serem representados em livros didáticos como empresários, engenheiros, cientistas e políticos, enquanto as mulheres tem mais chance de serem representadas cozinhando, cuidando de crianças ou em outros papeis domésticos.

Além desses esteriótipos, é raro também que mulheres sejam representadas, seja qualquer for o papel. A discrepância é especialmente em livros de matemática ou ciência. Em alguns casos, apenas uma entre 20 personagens de um livro de ciência é mulher.

O relatório afirma também que o progresso para conseguir represetenção igualitária tem sido lento, marcado por uma sensível falta de vontade política e resistência por parte de autores e autoridades responsáveis por livros escolares em nações em desenvolvimento.

Patrocínio
Petrobras
Publicações
Este guia integra uma série de publicações editadas pela ANDI – Comunicação e Direitos ao longo da última década, com o objetivo de contribuir para o aprimoramento da cobertura jornalística.