08 de Março de 2017
Lei penaliza clubes do Amazonas por denúncias de pedofilia

Veículo: 
Em Tempo

A partir de agora, clubes de futebol do Amazonas que tenham integrantes condenados por crimes de exploração sexual infantojuvenil poderão ficar sem patrocínio público, conforme determina a lei estadual 4.436/17, do deputado estadual Luiz Castro (Rede). A lei foi sancionada mês passado pelo governador José Melo (Pros) e o governo já prepara um decreto para regulamentar a matéria.

Segundo o deputado, o objetivo da lei é chamar a atenção para que os dirigentes de times sejam mais criteriosos na escolha dos profissionais que irão treinar crianças e adolescentes. Conforme a Secretaria de Estado da Comunicação (Secom), o decreto ainda não tem uma data para acontecer.

Com a regulamentação, será definido, por exemplo, critérios para a contratação de profissionais, detalhes sobre como cada clube deverá proceder com a denúncia e como deve ser o afastamento do profissional envolvido.

“É uma lei estadual que veda o patrocínio público a clubes envolvidos em exploração sexual e, ao haver a denúncia, o clube que tenha boa índole, pode afastar o profissional envolvido em crime de exploração sexual e dar apoio à criança ou adolescente vítima de abuso”, explicou o parlamentar.

Ao ter um integrante de time condenado pelo crime de exploração sexual, o clube ficará sem patrocínio público durante 10 anos, ou seja, caso esteja próximo de participar de uma competição importante, caberá a ele recorrer a recursos próprios ou patrocínio privado para concorrer à disputa. “Não adianta preocupar-se com o futebol profissional e com as categorias de base e não ter cuidado na hora da contratação dos profissionais. O número de abusadores não é pequeno como a gente imagina”, disse, ao revelar que o ideal é ter profissionais de educação física realizando estas atividades junto à crianças e adolescentes.

Propósito

Para Castro, a lei ajudará a afastar pedófilos de ter contato com crianças e adolescentes, em especial, meninos, principal alvo nessas situações. “É uma ideia preventiva, que deve ser aplicada também em escolas de futebol para crianças, para que se estabeleça um acompanhamento rigoroso da atividade e não seja aceito uma pessoa que não tenha um bom caráter para lidar com crianças”, acrescentou. A iniciativa foi criada a partir da reunião e análise de denúncias.

Sobre os julgamentos destes casos, Luiz Castro observa que quando há denúncias de exploração sexual infantil, a possibilidade de haver penalidades é elevada, mas que alguns processos “não caminham da forma que se espera, para a comprovação da criminalidade”.

“Os adultos têm a capacidade plena de defender-se, ao contrário de uma criança ou pré-adolescente. Elas não têm preparo para lidar com situações de assédio, que podem levá-las à exploração sexual”, disse. O deputado ressaltou que a maioria dos profissionais atuantes em clubes possui bom comportamento, mas que há abusadores compulsivos que sempre se infiltram neste meio.

 

Patrocínio
Petrobras
Publicações
Este guia integra uma série de publicações editadas pela ANDI – Comunicação e Direitos ao longo da última década, com o objetivo de contribuir para o aprimoramento da cobertura jornalística.