26 de Setembro de 2013
Ingestão deficiente de ácidos graxos pode prejudicar desenvolvimento infantil

Veículo: 
Zero Hora

No primeiro estudo que examinou de perto a ingestão de ácidos graxos poliinsaturados entre crianças americanas com idade inferior a cinco anos, constatou-se que este pode ser um déficit preocupante na dieta de muitos jovens. Segundo Sarah Keim, pesquisadora do Instituto de Pesquisa do Hospital Infantil Nationwide, em Columbus, no Estado de Ohio, a ingestão de um ácido graxo essencial conhecido como DHA em crianças de 12 a 60 meses de idade foi baixo, apesar de não haver um acordo sobre a quantidade ideal dessa substância na dieta de crianças. O estudo, publicado on-line neste mês, usou dados de aproximadamente 2,5 mil crianças de 12 a 60 meses. Entre os principais ácidos desse grupo estão o ômega 3 e o ômega 6. Peixes de água fria, frutos do mar, em óleo de canola e sementes de cânhamo são fontes naturais de Ômega 3. Já os ricos em Ômega 6 são óleos de girassol e soja e sementes oleaginosas. Essas substâncias são essenciais para a saúde.

Patrocínio
Petrobras
Publicações
Este guia integra uma série de publicações editadas pela ANDI – Comunicação e Direitos ao longo da última década, com o objetivo de contribuir para o aprimoramento da cobertura jornalística.