08 de Outubro de 2013
Infância tecnológica

Veículo: 
Correio Braziliense

Quando uma moça loira, de saias curtas e microfone com formato de brinquedo, descia de uma nave para apresentar um programa na tevê, as mães sabiam que podiam fazer outras atividades no lar e deixar as crianças por conta do televisor. Pois é: isso foi nos anos de 1990. Hoje, animais, como a Galinha Pintadinha, ou desenhos em três dimensões estão em tablets, smartphones e computadores e servem como 'babás' para as crianças - e elas adoram. A ascensão dos gadgets está inaugurando uma nova geração digital, conclui estudo da consultoria Nielsen, feito nos Estados Unidos - mas que se encaixa muito bem na definição da origem de um novo nicho no varejo de eletrônicos no Brasil. Lá, 78% dos pais que possuem tablets deixam os filhos com menos de 11 anos utilizarem a prancheta digital para atividades com objetivos educacionais. Por aqui, crianças como Tiago Moreira, de três anos, estão aprendendo precocemente como manejar os aparelhos digitais.

Patrocínio
Petrobras
Publicações
Publicação mapeia os principais riscos a que estão expostos crianças e adolescentes nas cidades-sede do Mundial 2014 e apresenta as iniciativas desenvolvidas pela sociedade brasileira para garantir os direitos fundamentais desses grupos etários.