27 de Julho de 2015
Gestantes e bebês indígenas têm atendimento especial no Paraná

Veículo: 
Bem Paraná Online

O Governo do Paraná trabalha em parceria com o Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) – Litoral Sul para melhorar a qualidade do atendimento de gestantes e bebês indígenas pela Rede Mãe Paranaense. O objetivo é garantir o acesso da comunidade a todas as consultas, exames e demais serviços necessários para o acompanhamento da gestação e do desenvolvimento dos bebês, em especial até o primeiro ano de vida. A parceria surgiu da necessidade de articular ações conjuntas para reduzir os índices de mortalidade materna e infantil relacionados à etnia indígena. Atualmente, o que mais preocupa é o número de óbitos infantis, que em muitos casos poderiam ter sido evitados se houvesse um trabalho de acompanhamento mais próximo. Ao analisar o perfil dos óbitos infantis da população indígena paranaense, as autoridades de saúde descobriram que a maior parte das mortes aconteceu no período pós-neonatal - entre o 28º e o 364º dia de vida do bebê. Diferente do que ocorre com crianças de outras etnias, cuja maioria das mortes é registrada durante o período perinatal, entre a 22ª semana de gestação e o 7º dia de vida da criança. De acordo com a chefe do Departamento de Atenção Primária da Secretaria Estadual da Saúde, Shunaida Sonobe, os dados mostram que é preciso reforçar a atenção à saúde das crianças indígenas quando elas já estão em casa, após a alta hospitalar. “Estamos trabalhando para articular o trabalho desenvolvido pelas equipes responsáveis pelo atendimento de saúde nas aldeias com o restante da rede pública. Só assim poderemos intervir de forma eficaz na prevenção de mortes precoces”, afirmou.

REDE - Desde 2012, a Rede Mãe Paranaense já trata a população indígena de forma diferenciada. Já na primeira consulta de pré-natal, toda gestante indígena é estratificada como de risco intermediário, o que permite que ela seja acompanhada de perto pelo Centro Mãe Paranaense da região. Além disso, o parto é feito em um hospital de referência, com toda a estrutura e profissionais preparados para agir frente a qualquer intercorrência. Depois da alta hospitalar, o acompanhamento de mães e bebês é feito pelas equipes multidisciplinares de saúde indígena, vinculadas ao DSEI. Hoje, 24 equipes do DSEI atuam nas 57 aldeias indígenas existentes no Estado. São médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, dentistas, auxiliares de saúde bucal, agentes indígenas de saúde e de saneamento que prestam assistência a 14.561 indígenas paranaenses. Para o coordenador de Atenção à Saúde do Distrito Sanitário Especial Indígena – Litoral Sul, André Luiz Martins, a integração entre os serviços de saúde é importante para organizar a linha de cuidado materno-infantil para este público. “Nossos profissionais oferecem atendimento básico nas aldeias e por isso somos o primeiro ponto de atenção à saúde das gestantes indígenas. Contudo, o pré-natal e o parto são feitos por outros serviços, o que ressalta a importância de que haja um diálogo entre todos os pontos da rede”, destacou.

Patrocínio
Petrobras
Publicações
Publicação mapeia os principais riscos a que estão expostos crianças e adolescentes nas cidades-sede do Mundial 2014 e apresenta as iniciativas desenvolvidas pela sociedade brasileira para garantir os direitos fundamentais desses grupos etários.