26 de Setembro de 2013
Fumar na gravidez causa prejuízos à mãe e ao bebê

Veículo: 
Correio de Uberlândia OnLine

O cigarro contém mais de 4,5 mil substâncias tóxicas; 43 delas são comprovadamente cancerígenas. Para as mulheres que pensam em ser mães, o impacto que o hábito de fumar traz pode ser ainda maior. A mulher nasce com cerca de dois milhões de óvulos e vai perdendo esses gametas no decorrer da vida. Quando chega à idade de engravidar, esse número já é bem menor: cerca de 500 mil. Para o ginecologista Luis Carlos Alves Perillo, é nesse momento que o cigarro pode atrapalhar ainda mais, pois acelera a perda desses óvulos e causa um envelhecimento mais rápido do ovário, podendo diminuir a idade fértil da mulher em até dez anos. Porém, muitas mulheres engravidam mesmo sendo fumantes e, nesse caso, os problemas passam a ser não apenas delas, mas também dos bebês. Quando uma grávida fuma um cigarro, todos os seus componentes tóxicos chegam aos pulmões e são liberados no sangue e a placenta não impede a passagem dessas substâncias para o feto. As chances de aborto espontâneo sobem para 70% em gestantes fumantes.

Patrocínio
Petrobras
Publicações
O guia procura orientar os profissionais de comunicação para uma cobertura qualificada e contextualizada do tema oferecendo referências às políticas públicas, esclarecendo conceitos e sugerindo fontes.