06 de Janeiro de 2012
Estudo mostra que aspectos financeiros prevalecem na escolha por cesariana

Veículo: 
Amazonas em Tempo

Dados do Ministério da Saúde apontam que 52% dos três milhões de partos realizados no País em 2010 foram cirúrgicos. A predominância na escolha da cesariana, no entanto, não envolveu fatores clínicos e sim financeiros, como a remuneração médica e a renda da paciente. A conclusão é de estudo realizado na Universidade Federal de Minas Gerais pela economista Tabi Thuler, que analisou os partos realizados por um plano de saúde do estado de São Paulo, entre 2004 e 2009. A pesquisa mostrou, por exemplo, que os riscos de complicações para mães ou bebês não tiveram influência significativa nas opções feitas pelos médicos do plano de saúde pesquisado. Mais de 90% dos partos feitos nesse período eram cesarianas e a remuneração paga pelo procedimento também mais alta. A Organização Mundial de Saúde recomenda que o número de cesáreas não supere os 15%.

Patrocínio
Petrobras
Publicações
O guia procura orientar os profissionais de comunicação para uma cobertura qualificada e contextualizada do tema oferecendo referências às políticas públicas, esclarecendo conceitos e sugerindo fontes.