19 de Julho de 2019
ES tem 25 mil adolescentes fora da escola no ensino médio

Veículo: 
Globo.com

Os jovens em idade escolar que não estão frequentando nenhuma instituição de ensino serão mapeados pelo governo do Estado através do Projeto Todos na Escola, para que sejam desenvolvidas ações de inclusão e permanência desses alunos em sala de aula. Segundo o governador Renato Casagrande, sabe-se que são 25 mil jovens fora da escola no Ensino Médio no Espírito Santo.

O projeto é uma parceria com o Fundo Nacional das Nações Unidas pela Infância (Unicef), União Nacional do Dirigentes Municipais de Educação (Undime) e municípios.

A assinatura da Adesão ao Projeto ocorreu na manhã desta quinta-feira (18), no Palácio Anchieta, em Vitória.

A principal ferramenta usada será a "Busca Ativa", uma plataforma que auxiliará no levantamento de dados. Segundo Casagrande, a articulação com os municípios também será importante neste processo, pois todo o trabalho contará com o apoio de agentes municipais de saúde, que já estão inseridos, diariamente, no convívio da população durante visitas às residências.

“Temos que envolver os municípios, os secretários de Educação, para identificar os jovens que estão fora das salas de aula e abastecer o programa de informações para a criação de estratégias. Espero que todos os 78 municípios façam a adesão. Temos a necessidade de ofertar e dar oportunidade aos jovens de estudar”, disse o governador.

Por meio da iniciativa, o Estado e os municípios terão dados concretos que possibilitarão planejar, desenvolver e implementar políticas públicas que contribuam para a inclusão escolar.

O diagnóstico que é feito, atualmente, é baseado no Censo Escolar que aponta apenas a quantidade de pessoas em idade escolar fora da unidade de ensino. O mapeamento de quem são esses alunos, onde moram e por que estão fora da escola é o que será possível identificar por meio da “Busca Ativa”.

Casagrande lembrou ainda que são 25 mil jovens fora da escola no Ensino Médio no Espírito Santo.

“Vamos atrás de cada um deles. As oportunidades para quem não estuda são muito pequenas. As escolas precisam ser atraentes, os jovens precisam se sentir atraídos a irem para a escola, tendo uma estrutura adequada, música, uso da tecnologia e esportes. Vamos relançar o Pacto pela Aprendizagem e fazer investimentos fortes nas áreas de infraestrutura e tecnológica na educação”, adiantou Casagrande.

O secretário de Estado da Educação, Vitor de Angelo, destacou que o propósito é identificar os alunos que já saíram das unidades.

“Eles se matricularem ou não é uma decisão delas, mas o governo do estado tem que oportunizar as condições para isso, seja criando as vagas (que já existem) e conhecendo o perfil dessas pessoas (as razões pelas quais elas saíram das escolas), para que possamos ir adequando o perfil da escola, da vaga, localização da vaga e o perfil da escola que o aluno almeja, por exemplo”, afirmou.

Como funcionará

Por meio de parceria com os municípios, o trabalho contará com os agentes de saúde, por exemplo, que podem identificar, durante a execução do seu trabalho nas visitas às residências dos moradores, se aquela família possui algum integrante em idade escolar que não esteja estudando.

Após feita a identificação, a informação é passada para a Secretaria de Educação, que inicia uma etapa para identificar quem é a pessoa, onde mora e o motivo de não estar na escola, por exemplo. A partir disso, a equipe faz um diagnóstico da situação, o que permitirá oferecer condições para que o aluno volte de imediato para a escola.

 

Patrocínio
Publicações
Este guia integra uma série de publicações editadas pela ANDI – Comunicação e Direitos ao longo da última década, com o objetivo de contribuir para o aprimoramento da cobertura jornalística.