08 de Fevereiro de 2017
Educação infantil: o que seu filho leva para a vida toda

Veículo: 
Revista Crescer

Lá o seu filho corre, brinca, pula, dá risada, se diverte... A escola de educação infantil tem bastante brincadeira mesmo, o que é incrível. Mas não é só isso. Ela é muito importante – até mais que a universidade, acredite! Acha exagero ou está se perguntando o porquê? Essa fase escolar, que atende a crianças de 0 a 6 anos, acontece na primeira infância, um período riquíssimo para o desenvolvimento humano. Cada nova experiência que elas encaram naquele ambiente traz uma série de descobertas diárias. “Como sabemos pela ciência, a arquitetura do cérebro se forma nos primeiros anos de vida. É por isso que o trabalho educacional é extremamente importante e ajuda a definir o futuro desenvolvimento da criança. Na escola, ela ganha habilidades, conhecimento, sensibilidade, valores, capacidade de percepção e de relacionamento”, explica o sociólogo Cesar Callegari, diretor da Faculdade Sesi-SP de Educação.

Por mais que as atividades e os jogos propostos pelos professores pareçam despretensiosos, eles trazem várias lições que são levadas por toda a vida. Provas científicas para comprovar tudo isso não faltam, como um estudo recente realizado com 1 milhão de crianças no estado da Carolina do Norte (EUA). Segundo a pesquisa, alunos que tiveram uma boa educação infantil precisam de menos reforço escolar e apresentam melhor desempenho no ensino fundamental. Em Harvard (EUA), cientistas já apontaram que, quanto mais a criança se desenvolve na escola nessa fase da vida, maiores são as chances de chegar ao ensino superior e ganhar bons salários quando adulta. Se desenvolver bem na educação infantil, porém, não é sinônimo de utilizar apostilas, fazer provas e ter infindáveis deveres de casa. Muito pelo contrário: o aluno deve brincar e se relacionar para aprender.

Emoções e conquistas

Um adulto tem consciência de que o mundo não gira em torno de si e que há mais de 7 bilhões de habitantes no planeta  – mas o seu filho pequeno ainda não sabe disso! O simples fato de estar na escola, portanto, amplia a convivência social e ajuda na percepção de que existe o “eu” e o “outro”. “Quando a criança sai de casa, ela é filha do fulano e da fulana. Ao passar pelo portão da escola, vira aluna, ganha um novo status. Ela precisa dividir e compartilhar, percebe que o brinquedo da escola não pertence a ela e que o colega tem direito de usar também. Assim vai aprendendo sobre negociação e descobre como brincar junto”, afirma Pnina Eva Friedlander, coordenadora e sócia da escola Carandá Vivavida (SP).

O ambiente escolar também propicia o contato e o respeito à diversidade desde cedo. E, como as famílias estão cada vez menores, é muito comum que a única forma que a criança tenha de se relacionar diariamente com outras seja na escola. “A partir da interação, ela percebe que o amigo também tem família e sentimentos, o que é uma questão social muito importante”, ressalta a psicóloga e psicopedagoga Ana Cássia Maturano. É então que surgem as primeiras amizades. Por falar nisso, pesquisadores da Universidade de Illinois (EUA) descobriram que fazer bons amigos durante a educação infantil traz consequências positivas no longo prazo. Nas séries seguintes, essas crianças tendem a apresentar melhores níveis de cooperação, sabem compartilhar e se alternar em tarefas, além de terem menos comportamentos hostis e conflituosos com os colegas. Só esses benefícios sociais já bastariam para colocar seu filho na escola, não é? Mas as vantagens não param aí.

 

Patrocínio
Petrobras
Publicações
Publicação mapeia os principais riscos a que estão expostos crianças e adolescentes nas cidades-sede do Mundial 2014 e apresenta as iniciativas desenvolvidas pela sociedade brasileira para garantir os direitos fundamentais desses grupos etários.