03 de Junho de 2013
Crianças de até cinco anos são 40% dos fumantes passivos

Veículo: 
O Dia

O problema é dos adultos, mas fumar também afeta a saúde das crianças. No Brasil, 40% dos fumantes passivos têm até cinco anos. O fumo passivo é o contato com a fumaça que sai do cigarro, que contém mais nicotina do que a tragada pelo fumante. Entre as crianças, os danos são maiores, porque elas possuem organismo mais sensível aos componentes do tabaco. Segundo Márcio de Sousa, coordenador do Comitê Antitabaco da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), o bebê que inala nicotina pode sofrer da Síndrome da Morte Súbita Infantil. A substância também é transmitida pelo leite materno e pode elevar a pressão arterial e diminuir o oxigênio do sangue. Crianças que convivem com fumantes também têm mais chances de desenvolver problemas respiratórios, alergia, conjuntivite e perda de audição. “Não adianta fumar em local isolado, pois as partículas do cigarro grudam na roupa do fumante e podem passar para as crianças e prejudica-las”, afirma o coordenador.

Patrocínio
Petrobras
Publicações
Publicação mapeia os principais riscos a que estão expostos crianças e adolescentes nas cidades-sede do Mundial 2014 e apresenta as iniciativas desenvolvidas pela sociedade brasileira para garantir os direitos fundamentais desses grupos etários.