04 de Novembro de 2013
CE: Escola pode ajudar a abordar o tema da violência

Veículo: 
O Povo

Os comentários vindos de fora acerca das violências também chegam às salas de aula. A escola pode ser uma grande parceira a fim de orientar os alunos para a sensatez diante da irracionalidade das ruas. Já existem sutis iniciativas com as crianças, mas é preciso evoluir no aconselhamento aos pais, segundo a psicopedagoga Carla Alencar. A supervisora pedagógica Juhi Kenia Cavedagne, da Escola Vila, em Fortaleza (CE), diz que no colégio a cultura da não-violência perpassa projetos sobre solidariedade, consciência ecológica, consumismo. "Se aconteceu com um aluno, levamos para o grupo, fazemos discussões sobre, mas tudo de acordo com a idade deles", diz. Aos pais, segundo ela, não há nenhum projeto específico para tratar o tema. A coordenadora pedagógica da educação infantil do colégio Art & Manha, Teresinha Moreira, explica que a ludicidade, a contação de histórias e um contexto norteiam a abordagem do assunto na instituição. "Tudo dentro do que eles têm estrutura emocional para entender. Não chegamos e falamos sobre assaltos, mortes. Falamos sobre o mal a partir dos contos, por exemplo", esclarece.

Patrocínio
Petrobras
Publicações
O guia procura orientar os profissionais de comunicação para uma cobertura qualificada e contextualizada do tema oferecendo referências às políticas públicas, esclarecendo conceitos e sugerindo fontes.